Tel: (21) 2236-5023

Tel: (21) 99464-3368 whatsapp

Sexta, 19 Janeiro 2018 15:00

Saúde Bucal na Gravidez

Escrito por Equipe de Gestão de Mídias Sociais - Pegasus Web Sulution
Avalie este item
(0 votos)

Veja alguns fatores que vão fazer você, gestante, ir correndo ao dentista.

Segundo o Ministério da Saúde é recomendável que a gestante marque consultas com um odontologista logo no pré-natal. Isso porque a gravidez está relacionada a várias mudanças no corpo e algumas delas podem prejudicar os dentes, a língua e a gengiva.

Veja agora 7 motivos para consultar o odontologista durante os nove meses da gestação:

1. Saúde Bucal e corpo:
Manter a cavidade bucal limpa e livre de doenças evita uma série de problemas pelo corpo, pois um problema bucal não tratado é capaz de atingir a corrente sanguínea é se espalhar por todo o corpo. Realizar a manutenção periódica com o dentista ajuda a diagnosticar e tratar problemas logo no início, antes que eles se tornem mais graves.

2. A boca dá sinais:
As alterações na gengiva e na mucosa, o sangramento e dentes com manchas não devem ser ignorados em qualquer fase da vida, muito menos durante a gestação. Vale avisar ao dentista se algum desses sintomas aparecer, especialmente durante a escovação ou passagem do fio dental.

3. Do corpo para a boca:
É normal durante a gestação aparecerem alguns incômodos gástricos como refluxo, azia e ânsia de vômito. Nessas ocasiões, o conteúdo do estômago volta para a boca e deixa o pH da região mais ácido, isso afeta os dentes e toda a boca. Após a regurgitação, odontologistas costumam indicar um bochecho com água e, 15 minutos depois, uma boa escovação.

4. Predisposição à inflamação:
O corpo da mulher grávida produz uma quantidade maior de hormônios. Esse aumento eleva o risco de inflamações na gengiva. O quadro, conhecido como gengivite gravídica, ainda é bastante discutido entre os experts da área. Os principais sinais são inchaço, dor e sangramento após o uso do fio dental. Caso a condição seja detectada, existem tratamentos, que envolvem a raspagem da placa bacteriana na junção com os dentes.

5. Planejamento:
Não é recomendado realizar operações e exames mais complexos no primeiro e no terceiro semestre da gestação. Se o dentista acompanha a mulher desde o início, fica mais fácil planejar essas abordagens com o menor risco possível.

6. Tratamentos postergados:
Começar a usar aparelho ou realizar um clareamento dental podem esperar os nove meses. Eles só serão realizados ao longo da gravidez em casos raros, se houver uma necessidade muito grande.

7. Sem sobrepeso:
O crescimento do bebê não é desculpa para o acúmulo excessivo de quilos. Além
das complicações para a saúde geral, o sobrepeso e a obesidade também são fator de risco para graves inflamações na gengiva.

Ler 960 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Matérias e Artigos

Gostou Curta!